- Com esta série não é pretendido fazer história, mas sim é visado, ao lado das imagens, que poderão ser úteis aos leitores, a sintetizar em seus acontecimentos principais a vida no Brasil Império, antes e depois, inserida na História.

Não se despreza documentos oficiais ou fontes fidedignas para garantir a credibilidade; o que hoje é uma verdade amanhã pode ser contestado.

A busca por fatos, dados, informações, a pesquisa, reconhecer a qualidade no esforço e trabalho de terceiros, transformam o resultado em um caminho instigante e incansável na busca pela História.

Dividir estas informações e aceitar as críticas é uma dádiva para o pesquisador.

Este blog esta sempre em crescimento entre o Jornalismo, Crônicas, Causos e a História.

Haverá provavelmente falhas e omissões, naturais num trabalho tão restrito.

Qualquer texto, informação, imagem colocada indevidamente, dúvida ou inconsistência na informação, por favor, comunique, e, aproveito para pedir desculpas pela omissão ou inconvenientes.

(Consulte a relação bibliográfica e iconográfica)

- Quer saber mais sobre determinado tema, consulte a lista de assuntos desmembrados.

Leia, Navegue, consulte, viaje, me corrija, mas faça com PRAZER,

Com prazer é sempre melhor!

A Arte, Livro, Blog é uma troca, Contribua com Idéias.

Em História, não podemos gerar Dogmas que gerem Heresias e Blasfêmias e nos façam Intransigentes.

Acompanhe neste relato, que se diz singelo; a História e as Transformações do Brasil e do Brazil.

Poderá demorar um pouquinho para baixar, mas vale à pena

jpmcomenta@gmail.com

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

O Estado Brasileiro (Em Montagem)

O Estado BraZileiro
- BraZil e seus Governos -
-Capitanias
-Colônia
Reino
Império
- Regência
República
- Presidencialista
- Parlamentarista
Presidencialista

Fim do Reino do Brasil
Independência do Brasil

- A História do Brasil Imperial tem início em 07 de setembro de 1822, com a “Proclamação de Independência do Brasil” por D. Pedro I.
O término deste período é a “Proclamação da República”, ocorrida no Rio de Janeiro, em 15 de novembro de 1889.
Durante esta época, o Brasil foi governado por dois imperadores:
- D.Pedro I (de 1822 até 1831),
- D.Pedro II (de 1840 até 1889).
- Entre os anos de 1831 e 1840, o Brasil foi governado por Regentes.

Principais fatos da História do Brasil Império (Cronologia)

1822 - No dia 07 de setembro, D.Pedro I, às margens do riacho do Ipiranga em São Paulo, proclama a Independência do Brasil.
Início do Brasil Monárquico.

1822 - No Rio de Janeiro, em 12 de outubro, D.Pedro I é aclamado imperador do Brasil.

1823 - Reunião da Assembléia Geral Constituinte e Legislativa do Brasil.
A Assembléia foi dissolvida por D. Pedro I que criou o Conselho de Estado.

1824 - Em 25 de março, D.Pedro I outorga a Primeira Constituição Brasileira.

1824 - O nome oficial do país muda de Brasil para Império do Brasil.

1824 - Ocorre o movimento revolucionário conhecido como Confederação do Equador.

1825 - Início da Guerra da Cisplatina, conflito entre Brasil e a Província rebelde (atual  Uruguai), que queria sua independência.

1825 - A Independência do Brasil é reconhecida por Portugal.

1831 - Sofrendo pressões, D.Pedro I abdica do trono do Brasil.

1831a 1840 - Período Regencial: - O Brasil é governado por Regentes.

1835 - 1845 - Ocorre a Revolução Farroupilha (Guerra dos Farrapos) na Província do Rio Grande de São Pedro, espalhando por Santa Catarina.

1834- Morte de D.Pedro I no exílio do Brasil.

1835 - Revolta dos Malês, na Província da Bahia.

1835-1840 - Cabanagem: - revolta popular ocorrida na Província do Pará.

1837-1838 - Sabinada - revolta regencial ocorrida na Bahia.

1838-1841 - Balaiada - revolta popular ocorrida no interior da Província do Maranhão.

1840 - Golpe da Maioridade: - D.Pedro II assume o trono do Brasil com apenas 14 anos de idade.

1842 - Revolução Liberal nas províncias de Minas Gerais e São Paulo.

1847 - É instituído o “parlamentarismo” no Brasil.

1848-1850 - Revolução Praieira, de caráter liberal e federalista, ocorrida na Província de Pernambuco.

1850 - Lei Eusébio de Queiroz, que proibia o tráfico de escravos.

1854 – Em 30 de abril, o empresário Barão de Mauá, inaugura a primeira ferrovia brasileira.

1865-1870 - Ocorre a Guerra do Paraguai: - Brasil, Argentina e Uruguai contra o Paraguai.

1870 - Lançamento do Manifesto Republicano.

1871 - Promulgada a Lei do Ventre Livre.

1872 - Fundação do Partido Republicano.

1882 - A borracha ganha importância no mercado internacional e o Brasil torna-se um grande produtor e exportador.

1885 - Lei dos Sexagenários: - liberdade aos escravos com mais de sessenta anos.

1874 - Chegada em São Paulo dos primeiro imigrantes italianos (início da fase de imigração).

1888 - Em 13 de maio, a Princesa Regente Isabel assina a Lei Áurea, acabando com a escravidão no país.

1889 - Em 15 de novembro, na cidade do Rio de Janeiro, sob o comando do Marechal Deodoro da Fonseca, ocorre a Proclamação da República (fim do Brasil Império).

Introdução

A Independência do Brasil é um dos fatos históricos mais importantes de nosso país, pois marca o fim do domínio português e a conquista da autonomia política.
Muitas tentativas anteriores ocorreram e muitas pessoas morreram na luta por este ideal.
Podemos citar o caso mais conhecido:
- Tiradentes.
Foi executado pela coroa portuguesa por defender a liberdade da Colônia, durante o processo da Inconfidência Mineira.

Dia do Fico

Em 09 de janeiro de 1822, o Príncipe Regente D. Pedro recebeu uma carta das cortes de Lisboa, exigindo seu retorno para Portugal. Há tempos os portugueses insistiam nesta idéia, pois pretendiam recolonizar o Brasil e a presença de D. Pedro impedia este ideal. Porém, D. Pedro respondeu negativamente aos chamados de Portugal e proclamou:
“Se é para o bem de todos e felicidade geral da nação, diga ao povo que fico.”

O processo de independência

Após o Dia do Fico, D. Pedro tomou uma série de medidas que desagradaram a metrópole, pois preparavam caminho para a independência do Brasil. D. Pedro convocou uma Assembléia Constituinte, organizou a Marinha de Guerra, obrigou as tropas de Portugal a voltarem para o reino.
Determinou também que nenhuma lei de Portugal seria colocada em vigor sem o “cumpra-se”, ou seja, sem a sua aprovação. Além disso, o futuro imperador do Brasil, conclamava o povo a lutar pela independência.

O príncipe fez uma rápida viagem à Minas Gerais e a São Paulo para acalmar setores da sociedade que estavam preocupados com os últimos acontecimento, pois acreditavam que tudo isto poderia ocasionar uma desestabilização social.
Durante a viagem, D. Pedro recebeu uma nova carta de Portugal que anulava a Assembléia Constituinte e exigia a volta imediata dele para a metrópole.

Estas notícias chegaram as mãos do Príncipe Regente D. Pedro quando este estava em viagem de Santos para São Paulo. Próximo ao Riacho do Ipiranga, levantou a espada e gritou:
“Independência ou Morte !”.
Este fato ocorreu no dia 07 de setembro de 1822 e marcou a Independência do Brasil. No mês de dezembro de 1822, D. Pedro foi declarado imperador do Brasil.

O Brasil tem sua primeira bandeira brasileira após a Independência.

Pós Independência

Os primeiros países que reconheceram a independência do Brasil foram os Estados Unidos e o México.
Portugal exigiu do Brasil o pagamento de 2 milhões de libras esterlinas para reconhecer a independência de sua ex-colônia.
Sem este dinheiro, D. Pedro recorreu a um empréstimo da Inglaterra.

Embora tenha sido de grande valor, este fato histórico não provocou rupturas sociais no Brasil.
O povo mais pobre se quer acompanhou ou entendeu o significado da independência. A estrutura agrária continuou a mesma, a escravidão se manteve e a distribuição de renda continuou desigual. A elite agrária, que deu suporte D. Pedro I, foi a camada que mais se beneficiou.

Primeiro Reinado

Introdução

O Primeiro Reinado é a fase da História do Brasil que corresponde ao governo de D. Pedro I.
Tem início em 07 de setembro de 1822, com a Independência do Brasil e termina em 07 de abril de 1831, com a abdicação de D. Pedro I.

O governo de D. Pedro I enfrentou muitas dificuldades para consolidar a independência, pois no Primeiro Reinado ocorrem muitas revoltas regionais, oposições políticas internas.

Reações ao processo de Independência

Em algumas províncias do Norte e Nordeste do Brasil, militares e políticos, ligados a Portugal, não queriam reconhecer o novo governo de D. Pedro I. Nestas regiões ocorreram muitos protestos e reações políticas. Nas províncias do Grão-Pará, Maranhão, Piauí e Bahia ocorreram conflitos armados entre tropas locais e oficiais.

Constituição de 1824

Em 1823, durante a elaboração da primeira Constituição brasileira, os políticos tentaram limitar os poderes do imperador. Foi uma reação política a forma autoritária de governar do imperador.
Neste mesmo ano, o imperador, insatisfeito com a Assembléia Constituinte, ordenou que as forças armadas fechassem a Assembléia. Alguns deputados foram presos.

D.Pedro I escolheu dez pessoas de sua confiança para elaborar a nova Constituição. Esta foi outorgada em 25 de março de 1824 e apresentou todos os interesses autoritários do imperador.
Além de definir os três poderes (Legislativo, Executivo e Judiciário), criou o poder Moderador, exclusivo do imperador, que lhe concedia diversos poderes políticos.

A Constituição de 1824 também definiu leis para o processo eleitoral no país.
De acordo com ela, só poderiam votar os grandes proprietários de terras, do sexo masculino e com mais de 25 anos.
Para ser candidato também era necessário comprovar alta renda (400.000 réis por ano para deputado federal e 800.000 réis para senador).

Guerra da Cisplatina

Este foi outro fato que contribuiu para aumentar o descontentamento e a oposição ao governo de D.Pedro I. Entre 1825 e 1828, o Brasil se envolveu na Guerra da Cisplatina, conflito pelo qual esta província brasileira (atual Uruguai) reivindicava a independência. A guerra gerou muitas mortes e gastos financeiros para o império.
Derrotado, o Brasil teve que reconhecer a independência da Cisplatina que passou a se chamar República Oriental do Uruguai.

Confederação do Equador

As províncias de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará formaram, em 1824 a Confederação do Equador. Era a tentativa de criar um estado independente e autônomo do governo central.
A insatisfação popular com as condições sociais do país e o descontentamento político da classe média e fazendeiros da região com o autoritarismo de D.Pedro I foram as principais causas deste movimento.

Em 1824, Manuel de Carvalho Pais de Andrade tornou-se líder do movimento separatista e declarou guerra ao governo imperial.

O governo central reagiu rapidamente e com todas as forças contra as províncias separatistas. Muitos revoltosos foram presos, sendo que dezenove foram condenados a morte.
A Confederação foi desfeita, porém a insatisfação com o governo de D.Pedro I só aumentou.

Desgaste e crise do governo de D.Pedro I

Nove anos após a Independência do Brasil, a governo de D.Pedro I estava extremamente desgastado.
O descontentamento popular com a situação social do país era grande.
O autoritarismo do imperador deixava grande parte da elite política descontente.
A derrota na Guerra da Cisplatina só gerou prejuízos financeiros e sofrimento para as famílias dos soldados mortos.
Além disso, as revoltas e movimentos sociais de oposição foram desgastando aos poucos, o governo imperial.

Outro fato que pesou contra o imperador foi o assassinato do jornalista Libero Badaró. Forte crítico do governo imperial, Badaró foi assassinado no final de 1830.
A polícia não encontrou o assassino, porém a desconfiança popular caiu sobre homens ligados ao governo imperial.

Em março de 1831, após retornar de Minas Gerais, D.Pedro I foi recebido no Rio de Janeiro com atos de protestos de opositores.
Alguns mais exaltados chegaram a jogar garrafas no imperador, conflito que ficou conhecido como “A Noite das Garrafadas”.
Os comerciantes portugueses, que apoiavam D.Pedro I entraram em conflitos de rua com os opositores.

Abdicação

Sentindo a forte oposição ao seu governo e o crescente descontentamento popular, o Imperador D.Pedro percebeu que não tinha mais autoridade e forças políticas para se manter no poder.

Em 07 de abril de 1831, D.Pedro I abdicou em favor de seu filho Pedro de Alcântara, Príncipe Imperial, então com apenas 5 anos de idade. Logo ao deixar o poder viajou para a Europa.

Fim do Primeiro Reinado
Segundo Reinado

Introdução

O Segundo Reinado é a fase da História do Brasil que corresponde ao governo de D. Pedro II.
Teve início em 23 de julho de 1840, com a mudança na Constituição que declarou Pedro de Alcântara maior de idade com 14 anos e, portanto, apto para assumir o governo. O 2º Reinado terminou em 15 de novembro de 1889, com a Proclamação da República.

O governo de D. Pedro II, que durou 49 anos, foi marcado por muitas mudanças sociais, política e econômicas no Brasil.

A Bandeira do Brasil durante o Segundo Reinado

Política no Segundo Reinado

A política no Segundo Reinado foi marcada pela disputa entre o Partido Liberal e o Conservador. Estes dois partidos defendiam quase os mesmos interesses, pois eram elitistas.
Neste período o imperador escolhia o presidente do Conselho de Ministros entre os integrantes do partido que possuía maioria na Assembléia Geral.
Nas eleições eram comuns as fraudes, compras de votos e até atos violentos para garantir a eleição.

Término da Guerra dos Farrapos

Quando assumiu o império a Revolução Farroupilha estava em pleno desenvolvimento. Havia uma grande possibilidade da Região Sul, conseguir a independência do restante do país.
Para evitar o sucesso da revolução, D.Pedro II nomeou o Barão de Caxias como chefe do exército. Caxias utilizou a diplomacia para negociar o fim da revolta com os líderes. Em 1845, obteve sucesso através do Tratado de Poncho Verde e conseguiu colocar um fim na Revolução Farroupilha.

Revolução Praieira

A Revolução Praieira foi uma revolta liberal e federalista que ocorreu na Província de Pernambuco, entre os anos de 1848 e 1850.
Dentre as várias revoltas ocorridas durante o Brasil Império, esta foi a última.
Ganhou o nome de praieira, pois a sede do jornal dirigido pelos liberais revoltosos (chamados de praieiros) situava-se na Rua da Praia.

Guerra do Paraguai

Conflito armado em que o Paraguai enfrentou a Tríplice Aliança (Brasil, Argentina e Uruguai) com apoio da Inglaterra.
Durou entre os anos de 1864 e 1879 e levou o Paraguai a derrota e a ruína.

Ciclo do Café

O café chegou ao Brasil, na segunda década do século XVIII, através de Francisco de Melo Palheta. Estas primeiras mudas foram trazidas da Guiana Francesa. No século XIX, as plantações de café espalharam-se pelo interior de São Paulo e Rio de Janeiro. Os mercados nacionais e internacionais, principalmente Estados Unidos e Europa, aumentaram o consumo, favorecendo a exportação do produto brasileiro.

Na segunda metade do século XIX, o café tornou-se o principal produto de exportação brasileiro, sendo também muito consumido no mercado interno.

Os fazendeiros (chamados “barões do café”) e muitos o eram, principalmente paulistas, fizeram fortuna com o comércio do produto.
Boa parte dos lucros do café foi investida na indústria, principalmente nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, favorecendo o processo de industrialização do Brasil.

Imigração

Muitos imigrantes europeus, principalmente italianos, chegaram para aumentar a mão-de-obra nos cafezais de São Paulo, a partir de 1850. Vieram para, aos poucos, substituírem a mão-de-obra escrava que, devido as pressões da Inglaterra, começava a entrar em crise.
Além de buscarem trabalho nos cafezais do interior paulista, também foram para as grandes cidades do Sudeste que começavam a abrir muitas indústrias.

Questão abolicionista

- Lei Eusébio de Queiróz (1850): - extinguiu oficialmente o tráfico de escravos no Brasil
- Lei do Ventre Livre (1871): - tornou livre os filhos de escravos nascidos após a promulgação da lei.
- Lei dos Sexagenários (1885): - dava liberdade aos escravos ao completarem 65 anos de idade.
- Lei Áurea (1888): - assinada pela Regente do Império, Princesa Isabel, aboliu a escravidão no Brasil.

Crise do Império

A crise do Segundo Reinado teve início já no começo da década de 1880.
Esta crise pode ser entendida através de algumas questões:

- Interferência de D.Pedro II em questões religiosas, gerando um descontentamento nas lideranças da Igreja Católica no país;

- Críticas e oposição feitas por integrantes do Exército Brasileiro, que se mostravam descontentes com a corrupção existente na Corte.
Além disso, os militares estavam insatisfeitos com a proibição, imposta pela Monarquia, pela qual os oficiais do Exército não podiam dar declarações na imprensa sem uma prévia autorização do Ministro da Guerra;

- A classe média brasileira (funcionário públicos, profissionais liberais, jornalistas, estudantes, artistas, comerciantes) desejava mais liberdade e maior participação nos assuntos políticos do país. Identificada com os ideais republicanos, esta classe social passou a apoiar a implantação da República no país;

- Falta de apoio dos proprietários rurais, principalmente dos cafeicultores do Oeste Paulista, que desejavam obter maior poder político, já que tinham grande poder econômico.
Fazendeiros de regiões mais pobres do país também estavam insatisfeitos, pois com a abolição da escravatura, encontraram dificuldades em contratar mão-de-obra remunerada.

Fim da Monarquia
Proclamação da República

Em 15 de novembro de 1889, o Marechal Deodoro da Fonseca, com o apoio dos republicanos, destituiu o Conselho de Ministros e seu presidente Visconde de Ouro Preto.
No final do dia, Deodoro da Fonseca assinou o manifesto proclamando a República no Brasil e instalando um governo provisório.

No dia 18 de novembro, D.Pedro II e a família imperial brasileira viajaram para a Europa.
Era o começo da República Brasileira com o Marechal Deodoro da Fonseca assumindo, de forma provisória, o cargo de Chefe do Governo Provisório.

Introdução

Com a queda nas exportações de algodão, açúcar e cacau, os fazendeiros sentiram a grande oportunidade de obterem altos lucros com o “ouro negro”, o Café.
Passaram a investir mais e ampliaram os cafezais. Na segunda metade do século XIX, o café tornou-se o principal produto de exportação brasileiro, sendo também muito consumido no mercado interno.

Os fazendeiros, principalmente paulistas, fizeram fortuna com o comércio do produto. As mansões da Avenida Paulista refletiam bem este sucesso. Boa parte dos lucros do café foi investido na indústria, principalmente de São Paulo e Rio de Janeiro, favorecendo o desenvolvimento deste setor e a industrialização do Brasil. Muitos imigrantes europeus, principalmente italianos, chegaram para aumentar a mão-de-obra nos cafezais de São Paulo.

Conseqüências do Ciclo do Café

- A economia brasileira ficou muito dependente das exportações de café. Quando o preço do produto caia, o governo brasileiro comprava estoques e queimava para aumentar o preço (política de valorização do café).

- Concentração do poder político e econômico na região Sudeste.

- Aumento do desenvolvimento industrial e urbano no Sudeste.

- Imigração européia para as lavouras de café e indústrias do Sudeste.

- Construção de ferrovias para escoar a produção de café do interior de São Paulo para o porto de Santos.

Introdução

Enquanto o Brasil foi Colônia de Portugal (1500 a 1822) não houve desenvolvimento industrial em nosso país. A metrópole proibia o estabelecimento de fábricas em nosso território, para que os brasileiros consumissem os produtos manufaturados portugueses. Mesmo com a chegada da Família Real (1808) e a Abertura dos Portos às “Nações Amigas”, o Brasil continuou dependente do exterior, porém, a partir deste momento, dos produtos ingleses.

Começo da Industrialização 

Foi somente no final do século XIX que começou o desenvolvimento industrial no Brasil. Muitos cafeicultores passaram a investir parte dos lucros, obtidos com a exportação do café, no estabelecimento de indústrias, principalmente em São Paulo e Rio de Janeiro.
Eram fábricas de tecidos, calçados e outros produtos de fabricação mais simples.
A mão de obra utilizada nas fábricas era na maioria, formada por imigrantes italianos.

Era Vargas e Desenvolvimento Industrial 

Foi durante o primeiro governo de Getúlio Vargas (1930-1945) que a indústria brasileira ganhou um grande impulso. Vargas teve como objetivo principal efetivar a industrialização do país, privilegiando as indústrias nacionais, para não deixar o Brasil cair na dependência externa.
Com leis voltadas para a regulamentação do mercado de trabalho, medidas protecionistas e investimentos em infra-estrutura, a indústria nacional cresceu significativamente nas décadas de 1930-40.
Porém, este desenvolvimento continuou restrito aos grandes centros urbanos da Região Sudeste, provocando uma grande disparidade regional.

Durante este período, a indústria também se beneficiou com o final da Segunda Guerra Mundial (1939-45), pois, os países europeus, estavam com suas indústrias arrasadas, necessitando importar produtos industrializados de outros países, entre eles o Brasil.
Com a criação da Petrobrás (1953), ocorreu um grande desenvolvimento das indústrias ligadas à produção de gêneros derivados do petróleo (borracha sintética, tintas, plásticos, fertilizantes, etc).

Período JK

Durante o governo de Juscelino Kubitschek (1956 -1960) o desenvolvimento industrial brasileiro ganhou novos rumos e feições. Com o slogan “50 anos em 5” JK abriu a economia para o capital internacional, atraindo indústrias multinacionais.
Foi durante este período que ocorreu a instalação de montadoras de veículos internacionais (Ford, General Motors, Volkswagen e Willys) em território brasileiro.

Últimas décadas do século XX

Nas décadas 1970, 80 e 90, a industrialização do Brasil continuou a crescer, embora, em alguns momentos de crise econômica, ela tenha estagnado.
No final do século XX o Brasil possui uma grande base industrial, produzindo diversos produtos, entre eles: - automóveis, máquinas, roupas, aviões, equipamentos, produtos alimentícios industrializados, eletrodomésticos, etc.
Apesar disso, a indústria nacional ainda é dependente, em alguns setores, (informática, por exemplo) de tecnologia externa.

Consequências da Industrialização no Brasil

O processo de industrialização brasileira apresentou vários aspectos positivos, mas também negativos.

Aspectos Positivos:

- O Brasil deixou de ser dependente das exportações de produtos agrícolas;

- Os salários nas indústrias, com o tempo, ficaram mais atrativos do que no campo;

- A industrialização gerou renda, aumentou o consumo e impulsionou o crescimento da economia brasileira;

- O preço de produtos industrializados passou a ficar mais barato para o consumidor brasileiro. Antes, os manufaturados importados chegavam aos brasileiros a preços exorbitantes, limitando o consumo às classes sociais mais elevadas.

Aspectos Negativos:

- Aumentou o êxodo rural, criando uma alta concentração populacional nas grandes cidades. Esse fato gerou problemas sociais (falta de moradia, aumento da violência, etc.);

- Aumentou o nível de poluição do ar gerado pelas indústrias. Estas também foram responsáveis, principalmente no século XX, pelo aumento da poluição de rios e contaminação dos solos;

- O uso cada vez maior de máquinas e equipamentos tecnológicos fez aumentar o desemprego nas indústrias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário